Busca:

Hamilton de Holanda


30/3/1976 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Despontou no cenário artístico em 1995, quando foi considerado Melhor Intérprete no II Festival de Choro do Rio de Janeiro, no qual se apresentou com o choro "Destroçando a macaxeira", de sua autoria, classificado em segundo lugar no evento.

Ao lado do irmão Fernando César (violão de 7 cordas), formou o duo Dois de Ouro, com o qual lançou, em 1997, o CD “Destroçando a macaxeira”. No repertório, suas composições “Cavucando o côco”, “Conversa de bandolim”, “Há 1 Tom”, “Luperceando” e a faixa-título, além de “Isto aqui, o que é? (Sandália de prata)” e “Aquarela do Brasil”, ambas de Ary Barroso, “Imitação” e “Imagem”, ambas de Alencar, “Caminhando” (Nelson Cavaquinho e Nourival Bahia), “Shérida”  (Américo e Fernando César), “Quando me lembro” (Luperce Miranda), “O choro de Juliana” (Marco Pereira), “Chorinho pra você” (Marcos de Carvalho e Rossana Decelso) e “Apanhei-te cavaquinho” (Ernesto Nazareth).
Novamente com o Dois de Ouro, lançou, no ano seguinte, o CD "A nova cara do velho choro".

Novamente com o Dois de Ouro, lançou, no ano seguinte, o CD "A nova cara do velho choro". Ainda em 1998, obteve o terceiro lugar no Prêmio Visa de MPB Instrumental, promovido pela Rádio Eldorado de São Paulo e pelo jornal “Estado de São Paulo”. Nesse mesmo ano, foi lançado o CD “Prêmio Visa de MPB Instrumental – Hamilton de Holanda (bandolim), Nelson Veraz (guitarra), Rodrigo y Castro (flauta) e Fábio Torres (piano)”.

Em 2000, lançou, com Marco Pereira, o CD “Luz das cordas”, contendo suas composições “Brasileiro” e “Enchendo o latão”, além de “Bate coxa”, “Seu Tonico na ladeira” e a faixa-título, todas de Marcos Pereira, “Um a zero” (Pixinguinha e Benedito Lacerda), “Lamentos do morro” (Garoto), “50 anos” (Cristóvão Bastos e Aldir Blanc), “Pra você (For Tânia Maria)” (Michel Camilo), “O xote das meninas” (Luiz Gonzaga e Zé Dantas)/”Qui nem jiló” (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira), “Na Baixa do Sapateiro” (Ary Barroso) e “Las abejas” (Agustín Barrios). Nesse mesmo ano,
apresentou-se, com sucesso, no Free Jazz Festival. Também em 2000, lançou mais um CD com Fernando César, “Dois de Ouro”, com suas composições “Pra sempre” (c/ Zélia Duncan), “Baião Brasil”, “Pras crianças”, “Rumo à felicidade”, “Bem maior que o universo”, “Aquarela na Quixaba”, “O Hermeto  a brincando” e “Rubro-negro”, além de “O que é, o que é?” (Gonzaguinha), “Rosa” (Pixinguinha e Otávio de Souza), “O vôo da mosca” (Jacob do Bandolim), “Chuva, suor e cerveja/”Atrás do Trio Elétrico A filha da Chiquita Bacana” (Caetano Veloso) e “Canta Brasil” (Alcyr Pires Vermelho e David Nasser).

Ao lado de Daniel Santiago (violão de seis cordas) e Rogério Caetano (violão de sete cordas), lançou, em 2001, o CD “Brasília Brasil – Abre alas”, contendo suas canções “Valsa em Si” (c/ Zélia Duncan) e “Cirandeiro” (c/ Daniel Santiago), e ainda “Brasília Brasil”, “Brazulqueira” e “Cirandeiro”, todas de Daniel Santiago, “Menina Ilza” e “Suíte Norte, Sul, Leste, Oeste”, ambas de Hermeto Pascoal, “É” (Gonzaguinha), “Gostoso demais” (Dominguinhos e Nando Cordel), “Retrato de Chiquinha Gonzaga (da “Suíte Retratos”)” (Radamés Gnattali), “Nação” (João Bosco, Paulo Emílio e Aldir Blanc), “Folia das 5” (Rogério Caetano) e “Ô Abre Alas” (Chiquinha Gonzaga).

Em 2002, lançou o CD “Hamilton de Holanda”, contendo as faixas “Menino Hermeto”, de sua autoria, “Vibrações” e “Santa Morena”, ambas de Jacob do Bandolim, “Baião malandro”  (Egberto Gismonti), “Deixa” (Baden Powell e Vinicius de Moraes), “Samba do grande amor” (Chico Buarque), “O boto” (Edgar Duvivier), “Asa branca” (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira), “Carinhoso” (Pixinguinha e Braguinha), “Evocação nº 1” (Nelson Ferreira) e “O Teatro da Natureza” (Marco Pereira e Aldir Blanc).

Em 2004, fez turnê pela Europa. Ainda nesse ano, lançou o CD “Música das nuvens e do chão”, com sua composição “Estações” e ainda “Desfigurado” (Cartola), “Retrato da vida” (Dominguinhos e Djavan), “Ponteio” (Edu Lobo e Capinan), “Contramilonga a  a Funerala” (Astor Piazzolla), “Beija-flor” (Nelson Cavaquinho, Noel Silva e Augusto Tomaz Júnior), “Samba novo” (Baden Powell), “Karatê” (Egberot Gismonti), “Céu de Brasília” (Toninho Horta e Fernando Brant),  “Baião de Lacan” (Guinga e Aldir Blanc), “Odeon” (Ernesto Nazareth e Vinicius de Moraes) e a faixa-título (Hermeto Pascoal).

Lançou, em 2005, o CD “01 Bytes 10 cordas”, contendo “O sonho”, “Pedra sabão”, “Flor da vida” e a música-título, todas de sua autoria, além de “No Rancho Fundo” (Ary Barroso e Lamartine Babo), “Ainda me recordo” (Pixinguinha e Benedito Lacerda), “Disparada” (Geraldo Vandré e Theo de Barros) e “Adiós Nonino” (Astor Piazzolla).

Com o quinteto que leva seu nome, formado com Daniel Santiago (violão), André Vasconcellos (baixo), Gabriel Grossi (flauta) e Márcio Bahia (bateria), lançou, em 2006, o CD “Brasilianos”, contendo suas composições “Pedra da Macumba”, “Brasilianos-Minas”, “Baião Brasil”, “Caçua”, “01 Byte 10 Cordas”, “Pra você ficar”, “Saudade do futuro”, “Valsa em Si”, “Pra sempre”, “Dor menor” e “O Hermeto  a brincando”, além de “Trenzinho do caipira” (Heitor Villa-Lobos) e “Procissão". Nesse mesmo ano, apresentou-se com seu quinteto no Circo Voador (RJ), encerrando a turnê "Brasilianos", tendo como convidado especial o cantor Djavan. Também em 2006, lançou, em parceria com o músico norte-americano Mike Marshall, o CD “New Words/Novas palavras”, com suas canções “Valsa em Si” e “Pra sempre”, ambas com Zélia Duncan, e “New words”, além de “Egypt” e “Ham & Mike”, ambas de Mike Marshall, “Apanhei-te Cavaquinho” e “Brejeiro”, ambas de Ernesto Nazareth, “Receita de samba” (Jacob do Bandolim), “Blackberry Blossom” (tradicional norte-americano), “Cochichando” (Pixinguinha, Alberto Ribeiro e Braguinha), “Big Country” (Bela Fleck), “Desvairada” (Garoto), “São Jorge” (Hermeto Pascoal) e “Autumn Leaves” (Jacques Prevert, Jacques Enoch, John Mercer e Joseph Kosma).  Ainda nesse ano, lançou o CD “Samba do avião”.

Em 2007, recebeu os prêmios de Melhor Solista e Melhor CD Instrumental, com "Brasilianos", na quinta edição do Prêmio Tim de Música Brasileira. Nesse mesmo ano, lançou, em parceria com o pianista André Mehmari, o CD “Contínua amizade”, contendo suas composições “O sonho” e “Enchendo o latão”, além de “Choro da contínua amizade” e “Vivo entre valsas”, ambas de André Mehmari, “Rosa” (Pixinguinha e “Otávio de Souza), “Acontece” (Cartola), “Di menor” (Guinga e Celso Viáfora), “Choro negro” (Paulinho da Viola e Fernando Costa), “Baião malandro” (Egberto Gismonti), “Cinema Paradiso” (Ennio Morricone e Andrea Morricone) e “Notícia” (Nelson Cavaquinho, Alcides Caminha e Nourival Bahia). Ainda em 2007, lançou o CD “Íntimo", um trabalho solo, com suas composições “Gratitude”, “Saudade Amor” e “A César o que é de César”, esta dedicada ao irmão Fernando César, seu companheiro no Dois de Ouro, além de “Beatriz” (Edu Lobo e Chico Buarque), “Chão de estrelas” (Sílvio Caldas e Orestes Barbosa), “As rosas não falam” (Cartola), “O bem e o mar” (Dorival Caymmi), “Feitiço da Vila” (Noel Rosa e Vadico), “Luiza” e “Passarim”, ambas de Tom Jobim, “Samba do Soho” (Paulo Jobim e Ronaldo Bastos) e “Senhorinha” (Guinga e Paulo César Pinheiro).

Em 2008, lançou, com seu quinteto, o CD “Brasilianos 2”, contendo suas músicas “Ano Bom”, “A vida tem dessas coisas”, “Mundo não acabou”, “Desceu o anjo”, “Virtude da esperança”, “Paz Paes”, “Tamanduá”, “Estrela negra”, “Carolina de Carol”, “Amor, saudade amor”, “Rafaela” e “Ajaccio”. Nesse mesmo ano, realizou turnê mundial pela Europa Ásia, Estados Unidos e América Latina.

Em 2009, fez três apresentações com o Hamilton de Holanda Quinteto no Auditório Ibirapuera (SP), recebendo como convidados especiais o percussionista Marcos Suzano, o soprista Carlos Malta e o pianista André Mehmari. Nesse mesmo ano, lançou o CD “Yamandú Costa e Hamilton de Holanda”, em parceria com o violonista gaúcho. No repertório, suas composições “Samba do Véio”, “Luz da aurora”, “Cochichado” e “O1 Byte 10 cordas”, todas com Yamandú Costa, “Flor da vida” e “Estações”, e ainda “Chama-me”, “Meiga”, “Samba pro Rapha” e “Shiawase”, todas de Yamandú Costa, além de “As pastorinhas” (Noel Rosa e Braguinha) e “Escorregando” (Ernesto Nazareth).

Ao longo de sua carreira, atuou com Hermeto Pascoal, Zélia Duncan, Marco Pereira, Marcos Ariel e Rosa Passos, entre vários outros artistas.

É professor da Escola de Choro Raphael Rabello, sendo considerado uma das grandes revelações do choro surgidas a partir de 1998.

Em 2010, o CD “Luz da aurora” recebeu indicação ao Prêmio de Música Brasileira, na categoria Melhor Disco Instrumental. Nesse mesmo ano, lançou o CD “Esperança – Ao vivo na Europa”, registro de shows realizados na Áustria, França, Finlândia, Alemanha e Suíça. No repertório, suas composiçõe “Negro samba”, “Esperança”, “Pros anjos” e “Etienne”, além de “Canto de Iemanjá” e “Canto de Ossanha”, ambas de Baden Powell e Vinicius de Moraes, “Vou vivendo” (Pixinguinha e Benedito Lacerda), “7 Anéis” (Egberto Gismonti) e “O que será? (À flor da pele)” (Chico Buarque).

Em 2011, foi contemplado com o Prêmio da Música Popular Brasileira, na categoria Melhor Álbum/Instrumental, pelo CD “Gismonti/Pascoal – A música de Egberto e Hermeto”, lançado em parceria com o pianista André Mehmari, e na categoria Melhor Solista/Instrumental, pelo CD “Esperança – Ao vivo na Europa”. Ao lado de Daniel Santiago (violão), André Vasconcellos (contrabaixo), Gabriel Grossi (harmônica) e Marcio Bahia (bateria), que com ele formam o Hamilton de Holanda Quinteto, lançou, também em 2011, o CD “Brasilianos 3”. No repertório, suas composições “Primeiras idéias”, “A marcha dos candangos”, “Prece ao Santo Céu”, “JK Proibido” e “Caos e harmonia”, todas com Daniel Santiago, “Saudades de Brasília”, “Saudades do Rio”, “Guerra e Paz I” e “Guerra e Paz II”.

Foi contemplado, em 2012, com o Prêmio da Música Brasileira, na categoria Melhor Solista/Instrumental, pelo CD "Brasilianos 3". Nesse mesmo ano, apresentou-se na casa Miranda (RJ), dividindo o palco com o pianista italiano Stefano Bollani.

Em 2013, comandou, no Circo Voador (RJ) o projeto “Baile do Almeidinha”, reunindo uma banda formada ao lado de Guto Wirtt (baixo), Eduardo Neves (sopros), Thiago da Serrinha (percussão), Rafael dos Anjos (violão) e Thiago Silva (bateria). Nesse mesmo ano, lançou o CD “Mundo de Pixinguinha”, tendo como convidados o trompetista americano Wynton Marsalis, os pianistas cubanos Chucho Valdés e Omar Sosa, o também pianista italiano Stefano Bollani, o acordeonista francês Richard Galliano e o pianista português Mario Laginha, além dos brasileiros André Mehmari (piano), Carlos Malta (sax tenor) e Odette Ernest Dias (flauta). No repertório, “Lamentos” (Pixinguinha), “Benguelê” (Pixinguinha e Gastão Viana), “Seu Lourenço no vinho” (c/ Benedito Lacerda) e “Rosa” (Pixinguinha e Osvaldo de Souza). O disco foi gravado em Málaga, Paris, Roma, Lisboa, Nova York e Rio de Janeiro. Fez show de lançamento do CD no Teatro Net Rio, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, e no Teatro Alfa, em São Paulo, tendo a seu lado Stefano Bollani, Richard Galliano e Omar Sosa. Também em 2013, dividiu o palco da casa Miranda (RJ) com Diogo Nogueira, no show “Bossa negra”.

Em 2014 lançou, ao lado de Diogo Nogueira, o CD “Bossa Negra”, que incluiu sete músicas de sua autoria, dentre as quais a faixa-título e a inédita, “Salamandra”, parceria de João Nogueira com Paulo César Pinheiro. O show de lançamento do disco foi apresentado no Theatro Net Rio e no Imperator, no Rio de Janeiro, com participação dos músicos André Vascocellos (baixo) e Thiago da Serrinha (percussão).

Mais visitados
da semana

1 Chico Buarque
2 Mumuzinho
3 Festivais de Música Popular
4 Milton Nascimento
5 Gilberto Gil
6 Noel Rosa
7 Dorival Caymmi
8 João do Vale
9 Caetano Veloso
10 Torquato Neto