Busca:

Jards Macalé

Jards Anet da Silva
3/3/1943 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Iniciou sua carreira profissional em 1965, substituindo o violonista Roberto Nascimento junto ao Grupo Opinião. Participou, ainda nesse ano, do espetáculo "Arena conta Bahia".

Em 1966, assinou a direção musical do recital de Maria Bethânia no Rio de Janeiro.

Atuou na década de 1960 principalmente como instrumentista. Nessa época, teve gravadas algumas de suas composições, como "Meu mundo é seu", por Elizeth Cardoso, e "Amo tanto", por Nara Leão.

Em 1968, iniciou uma parceria com José Carlos Capinam. Atuou como violonista do show e LP "Mudando de conversa", de Nora Ney e Cyro Monteiro. Participou da criação da Tropicarte, com Gal Costa, Paulinho da Viola e Capinam, destinada a produzir e empresariar seus próprios espetáculos. A sociedade desfez-se seis meses depois.

Participou, no ano seguinte, do IV Festival Internacional da Canção, com sua composição "Gotham City". Gravou o compacto duplo "Só morto", e trabalhou com Gal Costa na gravação do disco "Le-Gal" e no show "Meu nome é Gal", realizado na Boate Sucata (RJ).

Em 1971, viajou para Londres, convidado por Caetano Veloso, que estava morando nessa capital. Realizou diversas apresentações em toda a Europa.

No ano seguinte, retornou ao Brasil e gravou seu primeiro disco solo, o LP "Jards Macalé", lançado pela Philips. Ainda em 1972, fez o circuito universitário carioca e paulista com Gilberto Gil.

Em 1973, gravou ao vivo, com vários artistas, o LP duplo "Banquete dos Mendigos", homenageando o 25º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Lançou, no ano seguinte, o LP "Apreender a nadar".

Escreveu a trilha sonora do filme "Amuleto de Ogum", de Nélson Pereira dos Santos. Participou também das trilhas sonoras de "Macunaíma", de Joaquim Pedro de Andrade, "O dragão da maldade contra o santo guerreiro", de Glauber Rocha, "Rainha diaba", de Antônio Carlos Fontoura, "Getúlio Vargas", documetário de Ana Carolina, e "Se segura malandro", de Hugo Carvana, entre outras.

Viajou por todo o Brasil com o show "O homem que comia flores", considerado um dos melhores do ano pela crítica especializada.

Em 1976, apresentou-se ao lado de Moreira da Silva, pelo "Projeto Seis e Meia", no Teatro João Caetano (RJ).

No ano seguinte, gravou o LP "Contrastes" e apresentou-se na Concha Verde da Urca, pelo projeto "Quem sabe, sobe".

Em 1978, novamente com Moreira da Silva, participou do Projeto Pixinguinha.

Lançou, em 1987, o LP "Quatro batutas e um curinga".

Na década de 1990, lançou os CDs "Let's play that" (1994) e "O que eu faço é música" (1998). Realizou diversos shows pelo país, destacando-se a apresentação em homenagem aos 90 anos de Cartola, em 1998. Participou dos songbooks de Ary Barroso, Noel Rosa e Tom Jobim. Um ano depois, gravou a faixa "Acorda, amor" no songbook de Chico Buarque.

Em 2001, lançou, em homenagem ao amigo Moreira da Silva, o CD "Macalé canta Moreira", no qual registrou obras desse compositor, com arranjos de Vittor Santos, Jayme Vignoli e Moacyr Luz, além dos arranjos próprios nas faixas "Acertei no milhar", gravada só com voz e violão, e "Choro escrúxulo", na qual contou com a participação do fagotista Juliano Barboza. Participaram ainda do disco, Zeca Baleiro ("Na subida do morro"), Chico Caruso e Tim Rescala. Destaca-se, também, no repertório, sua única parceria com Moreira, "Tira os óculos e recolhe o homem".

Em 2003, lançou o CD "Amor, Ordem & Progresso".

No ano seguinte, participou, ao lado de Gilberto Gil e outros artistas, da gravação do CD "Hino do Fome Zero" (Roberto Menescal e Abel Silva).

Lançou, em 2005, o CD "Real Grandeza", contendo exclusivamente canções de sua parceria com Waly Salomão: "Rua Real Grandeza", "Senhor dos sábados", "Anjo exterminado", "Dona de castelo", "Vapor barato", "Mal secreto", "Negra melodia", "Revendo amigos", "Pontos de luz", "Berceuse crioulle" e "Olho de lince", as duas últimas até então inéditas. O disco teve direção musical de Cristóvão Bastos e contou com a participação de Maria Bethânia, Adriana Calcanhotto e Luiz Melodia, entre outros artistas.

Em 2010, foi lançado o documentário “Jards Macalé – Um morcego na porta principal”, dirigido por Marco Abujamra e João Pimentel.

Em 2011, atuou, como convidado da Orquestra Imperial, no “Tributo a Jorge Mautner”, realizado no Circo Voador (RJ). Nesse mesmo ano, participou do “Agora no ar” (Rádio Roquete Pinto), programa de auditório roteirizado e conduzido por Ricardo Cravo Albin. Ainda em 2011, o documentário “Jards Macalé – Um morcego na porta principal” foi exibido no Instituto Cultural Cravo Albin (RJ), seguido de um mini show do artista. Também nesse ano, dividiu o palco do Teatro Rival Petrobras com Jorge Mautner. O show contou com a participação de Nelson Jacobina.

Em 2012, fez o show de abertura do “V Festival de Música, Dança e Cultura Afro-brasileiras”, no Teatro Dulcina (RJ). Támbém nesse ano, participou da série “Grandes nomes, grandes discos”, na casa Miranda (RJ), falando sobre o LP “Aprender a nadar” e interpretando canções do disco gravado em 1974. A mesa contou com a participação do crítico musical Tárik de Souza. Nesse mesmo ano, apresentou-se no projeto “MPB Búzios 2012”. Ainda neste ano, foi a atração da série “Grandes discos da música brasileira”, realizada no Instituto Moreira Salles, cantando o repertório e falando sobre seu primeiro LP, “Jards Macalé”, lançado em 1972.

Em 2012, apresentou-se no projeto “MPB Búzios”. Também nesse ano, foi a atração da série “Grandes discos da música brasileira”, realizada no Instituto Moreira Salles, cantando o repertório e falando sobre seu primeiro LP, “Jards Macalé”, lançado em 1972.

Em 2013, o selo Discobertas lançou o CD “Só morto”, contendo as quatro faixas de seu compacto duplo homônimo “Só morto”, de 1969, acompanhado do grupo Soma – “Soluços”, “O crime”, “Só morto (Burning Night)” e “Sem essa” -, e 10 faixas gravadas ao vivo entre 1970 e 1973, incluindo “Gotham City”. O disco vem com a arte original do compacto, lançado originalmente pelo selo RGE.

Constam da relação dos intérpretes de suas canções artistas como Gal Costa ("Hotel das Estrelas" e "Vapor barato"), Maria Bethânia ("Anjo exterminado" e "Movimento dos barcos"), Clara Nunes ("O mais-que-perfeito"), Camisa de Vênus ("Gotham City") e O Rappa ("Vapor Barato"), entre outros.

Mais visitados
da semana

1 Mumuzinho
2 Chico Buarque
3 Dorival Caymmi
4 Festivais de Música Popular
5 Caetano Veloso
6 Gilberto Gil
7 Noel Rosa
8 Milton Nascimento
9 Luiz Gonzaga
10 Zezé di Camargo e Luciano