Busca:

Jesus Belmiro

Jesus Belmiro Mariano
10/5/1943 Itaiaçu, SP

Dados Artísticos

Um dos mais respeitados compositores do universo sertanejo, começou a compor por volta de 1969 e, em 1975,  teve sua primeira composição gravada, a toada "Canarinho", com Walter, lançada pela dupla Walter e Waltinho no LP "Sonho de amor", da gravadora Sapoti. No mesmo ano, a dupla Zé do Rancho e Zé do Pinho, no LP "Na escada do sucesso", da RCA Candem, gravou a toada "Inesquecível Belmonte", com Wagnésio. Em 1976, teve quatro composições lançadas pela dupla Divino e Donizete,  em LP da gravadora Copacabana: "Último assalto", "Balanço do pagode", "Laço dobrado", e "Luz do amor", todas em parceria com Donizete. No mesmo ano, fez sucesso com o bolero "Minha confissão", com Luis de Castro, gravado pela dupla Zilo e Zalo.  Em 1977, as guarânias "Derrubada", com Donizete, e "Fim de mundo", com Donizete e Cachoeira, foram gravadas pela dupla Divino e Donizete, no LP "Por causa de uma paixão", da Som/Copacabana.  Em 1978, o bolero "A noite do meu amor", com Vicente P. Machado, foi gravado pela dupla Mococa e Moraci, no LP "Quem é", da Sertanejo/Chantecler. No mesmo ano, "Anjo encantado" e "Homem sem medo", com Zé Mineiro, foram lançadas pela dupla Zé Mineiro e Mirandinha, no LP "Cenário do meu sertão", da Sertanejo/Chantecler, enquanto o pagode "Cerne de aroeira", com Lourival dos Santos e Vicente P. Machado, foi gravado pela dupla Tião Carreiro e Paraíso, no LP "Tá do jeito que eu queria", da Caboclo/Continental. Também no mesmo ano, a dupla Abel e Caim gravou "O milagre da traição", com Paraíso. Em 1979, a dupla Abel e Caim gravou "Prece à Santa Luzia", com Caim; a dupla Peão Carreiro e Praense gravou "Filho da interrogação", com Peão Carreiro, e a dupla Mococa e Moraci gravou o rasqueado "Sonhar não é crime", com José Homero. O ano de 1980, foi particularmente feliz para ele, pois teve doze composições gravadas: "A nascente do Rio Turvo", com Leone Belmiro; "Morrer por amor" e "Canário cantador", com Paraíso, lançadas pela dupla Abel e Caim, no LP "Quarto da saudade", da Copacabana ; "Adeus Rio Piracicaba", com Tião Carreiro e Craveiro, e também "Candieiro da fazenda" e "Mineirinho de fibra", com Tião Carreiro e Lourival dos Santos, registradas pela dupla Tião Carreiro e Paraíso, no LP "Homem até debaixo d'água", da Chantecler; "Quarto de fundo", com Waldemar de Freitas Assunção, "Rio da saudade" e "Falso brilhante", com Mococa, foram gravadas pela dupla Mococa e Moraci, e "Meus inimigos também são filhos de Deus", com Lourival dos Santos e José Russo, e "Sombra do desengano", com Carminha e Paraíso, foram gravadas por Tião Carreiro e Paraíso, no LP "Prato do dia", da Chantecler. No mesmo ano, a toada-de-cururu "Adeus Rio Piracicaba", com Tião Carreiro e Craveiro, foi gravada pela dupla Craveiro e Cravinho, no LP "Nos braços da saudade" da Chantecler. Em 1981, a dupla Cezar e Paulinho, então iniciante, gravou "Meu tesouro", "Amor sem preconceito", "Maior proeza", e "A loira do carro branco", todas com Paraíso, sendo que esta última tornou-se um dos seus maiores sucessos como compositor. No mesmo ano, "A novela", com Vicente P. Machado, foi registrada pela dupla João Mulato e Douradinho, no LP "Meu reino encantado"; "Apelo", com Ronaldo Adriano, recebeu gravação de Duduca e Dalvan, enquanto o bolero "Camisola preta", com Ronaldo Adriano e José Russo, foi registrada pelo Trio Parada Dura. Ainda em 1981, no LP "A bebida não presta", que a dupla Mococa e Moraci gravou pela Chantecler, incluiu sete composições de sua autoria: "Carta marcada", "Lei do retorno", "Vida louca", "Meu triste dilema", "Perfume que não é dela" e "Mundo cruel", todas com Mococa, além de "Cidade do sonho", de sua autoria. Nesse mesmo ano, a toada "Fazenda São Francisco", com Paraíso, foi título do LP lançado pela dupla Zico e Zeca, na gravadora Tocantins, incluindo ainda as músicas "Ninho de amor" e "Ponto de parada", ambas com Paraíso. Em 1982, teve as músicas "Fonte dos prazeres" e "Veneno da mentira", com Tião Carreiro, e "Preto velho", com Tião Carreiro e Lourival dos Santos, gravadas pela dupla Tião Carreiro e Pardinho, no LP "Navalha na carne", da gravadora Continental. Nesse ano, "Boa viagem", com Ronaldo Adriano, foi lançada pela dupla Zé do Rancho e Zé do Pinho, Cabelos cor de mel", com Teodoro, pela dupla Teodoro e Sampaio, "Eu vou embora", com Paraíso, pelo Duo Esmeralda, e "O grito" e "Serpente traiçoeira, com Cacique, pela dupla Cacique e Pajé. Em 1983, no LP "Força do amor", que a dupla Abel e Caim lançou pela Sertanejo/Chantecler, foram incluídas as músicas "A padeira", "Amor cativo" e "Amor a vida inteira", com Tião Carreiro, "Maldito motel", com Caim e Paraíso, e "Meu amigo prefeito", com Caim. No mesmo ano, nove composições foram incluídas no LP "Amor sem raiz", que a dupla Mococa e Moraci lançou pela Chantecler: "Escultura divina"; "Recanto de saudade"; "Troca de amor"; "Meu retrato"; "Silêncio da noite"; "Os ricos também choram"; "Homem de brio"; "Aventureira", e "Justa razão", todas com Mococa. Em 1984, a toada "Casa da pedra", com Tião Carreiro e Lourival dos Santos, deu nome ao disco lançado pela dupla Mococa e Moraci, na Chantecler e que incluiu ainda suas composições "Vá com Deus pra onde quiser", com Lourival dos Santos e Fauzi Kanso; "Recepcionista"; "Cantinho colorido" e "Você me despreza", com Mococa; "Abelha selvagem", com Peão Carreiro; "Nosso dia feliz", com José Alberto e Lourival dos Santos e "Ela vai dizer o sim", "Morena cor de mel" e "Caminhoneiro mensageiro", com Lourival dos Santos. No mesmo ano, as modas-de-viola "Viola vermelha", um clássico do gênero, homenagem ao violeiro Florêncio, e "Dever do policial", com Tião Carreiro, e "Boi veludo", com Lourival dos Santos, foram gravadas pela dupla Tião Carreiro e Pardinho, no LP "Modas de viola classe A  - Volume 4", da gravadora Continental. Teve gravadas, ainda nesse mesmo ano, as músicas: "Canção de Deus", com Toninho, e "Filho da Bahia", com Paraíso, pela dupla Zé do Cedro e João do Pinho, no LP "Oferta para Santos reis" da Tocantins; "Fim do mapa", com Lourival dos Santos, pela dupla João Mulato e Douradinho, e "Nos braços de outro" e "Rosa branca", com Tião Carreiro, com a dupla Vieira e Vieirinha. Em 1985, as modas "Abrindo picada", com Cacique, e "Desejo de um poeta", com Cacique e Tonico Martins, foram gravadas pela dupla Cacique e Pajé, no LP "Peão sabido" da Continental. No ano seguinte, Liu e Leu gravaram "Cargueiro da sudade" e "Fazenda São Francisco", com Paraíso; Zé do Cedro e João do Pinho gravaram "Colibrí", também com Paraíso, enquanto João Mulato e Douradinho lançaram a toada "Fazendeiro galante". Ainda em 1986, teve as toadas "Fim de semana", com Sebastião Victor, e "Vamos deitar e rolar", com Lourival dos Santos, gravadas pela dupla Mococa e Paraíso, e "Peso na cama", com Paraíso, registrada pela dupla Teodoro e Sampaio, enquanto "Saudade de Ituiutaba", com Tião Carreiro, foi gravada pela dupla Tião Carreiro e Pardinho, no LP "Estrela de ouro". Em 1987, fez, com Carreirinho, o cururu "Barretos Rainha do Vale", gravada pela dupla Zé Matão e Carreirinho. Já a toada "Fazenda São Francisco" foi regravada por Sérgio Reis. Em 1988, "Saudade me fez voltar", com Tião Carreiro, e "Justiça divina", com Julinho Guidini e Tião Carreiro, foram gravadas pela dupla Tião Carreiro e Pardinho, no LP "A majestade - O pagode", enquanto César e Paulinho registraram "Sua lembrança não passou", com Ed César e Cancioneiro. Em 1989, quatro composições foram gravadas pela dupla João Mulato e Douradinho: "Cerveja quente "; "Flor Taiaçuense", e "Rosa branca perfumada", com João Mulato, e "O que vou dizer agora", com João Mulato e Cláudio Balestro. No mesmo ano, "Dupla saudade", com Cacique e Tião Carreiro, e "Saudade não tem cor", com Cacique, foram lançadas pela dupla Cacique e Pajé. Em 1990, a dupla Dino Franco e Mouraí gravou "Por do sol", com Cláudio Balestro, pela RGE. Dois anos depois, a dupla Tião Carreiro e Praiano gravou, no LP "O fogo e a brasa", da Chantecler, as composições "Paixão mineira" e "País maravilha", ambas com Tião Carreiro. Do mesmo ano, é a gravação de "Sonho de saudade", com João Mulato, pela dupla João Mulato e Pardinho. Em 1994, a dupla Ronaldo Viola e João Carvalho gravou "Rodeio brasileiro" e "Sobrado da alegria", ambas com João Carvalho. No mesmo ano, a dupla Leide e Laura lançou "Amo você" e "Rodeio do amor", com Paraíso, e "Filha do caminhoneiro", com Édson Bellodi e Paraíso. Teve ainda as músicas "Filho do sertão", com Heitor, e "Pássaro de aço", com Mário Furigo, registradas pela dupla Heitor e Henrique, "Por causa dela", com Mizael, gravada por Peão Carreiro e Praiano, e "Sol de verão", com João Mulato, e "Punhos de aço", com João Mulato e Julio Guidini, lançadas por João Mulato e Pardinho. Em 1995, a dupla Cacique e Pajé gravou "Índio violeiro", com Cacique. Nesse ano, teve mais uma parceria com Paraíso gravada, a guarânia "Pulôver de lã", pela dupla Mococa e Paraíso. Foi parceiro de Tião Carreiro por 16 anos. Com mais de 100 obras gravadas por diversos nomes da música sertaneja e de raiz, entre  eles, Canário e Passarinho, Trio Parada Dura, João Paulo e Daniel, Irmãs Galvão, Liu e Leu, Mococa e Paraíso, Ely Silva e Zé Goiano, César e Paulinho, Abel e Caim, Mococa e Moraci, João Mulato e Douradinho, Cacique e Pajé, Tião Carreiro e Pardinho, Teodoro e Sampaio, Liu e Leu, Zico e Zeca, e Zilo e Zalo. Foi também parceiro de nomes lendários da música sertaneja como Lourival dos Santos, João Mulato e Paraíso. Em 2005, teve uma edição inteira do programa "Viola, minha viola" em sua   homenagem. O programa, comandado por Inezita Barroso, na TV Cultura de São Paulo, apresentou, nessa oportunidade, várias duplas tradicionais cantando sucessos de sua autoria. Entre as duplas, Mococa e Paraíso, que interpretou "Loira do carro branco",com Paraíso, e  "A filha do  barbeiro", com Mococa; Liu e Leu, que interpretou "Fazenda São Francisco", também com Paraíso, e  Ely Silva e Zé Goiano, "Preto Velho", com Tião Carreiro, e ainda, "Força infinita, com Paraíso, com quem completou 30 anos de parceria, compondo juntos desde de 1975. Nessa oportunidade, declamou o poema "Cerne de  Aroeira". Em 2007, a dupla Rodrigo Mattos & Praiano gravou a sua música "Caboclinho Valente", que foi um dos destaques do álbum "Novos Caminhos", lançado pela referida dupla. Teve as suas músicas "Flor de Goiás" e "Duelo de paixão (c/ Ronaldo Viola) gravadas pela dupla Ronaldo Viola & João Carvalho. Esta última foi regravada em 2002 pela dupla Ronaldo Viola & Praiano. No mesmo ano, teve sua música “Camisola preta”, parceria com Ronaldo Adriano e José Russo, gravada pela dupla Muniz Teixeira e Joãozinho, no CD “Homenagem a Ronaldo Adriano”, lançado pelo selo Arte Brasil. 

Mais visitados
da semana

1 Gilberto Gil
2 Gonzaguinha
3 Mumuzinho
4 Chico Buarque
5 Luiz Gonzaga
6 Assis Valente
7 Noel Rosa
8 Caetano Veloso
9 Festivais de Música Popular
10 Milton Nascimento